"Não devemos permitir que uma só criança fique em sua situação atual sem desenvolvê-la até onde seu funcionamento nos permite descobrir que é capaz de chegar. Os cromossomos não têm a última palavra". (Reuven Feuerstein)

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Autista de Alto Funcionamento sofre horrores no trote de medicina

Hoje, protegido e longe do terror que viveu no primeiro dia do curso de medicina, Luiz Fernando mostra o rosto pela primeira vez. Vítima de trote violento, ele ficou um mês escondido com medo de ameaças e agressões.

“Chutes, garrafadas, chutes de pontapé. Muitas vezes alguém dava tapa quando eu estava andando”, conta Luiz Fernando.

Aos 22 anos, Luiz Fernando passou em um vestibular muito disputado. Órfão de pai, vive com a mãe e um irmão em uma cidade da periferia de Belo Horizonte. Ele tinha um sonho: “Queria fazer medicina porque eu tenho um irmão deficiente, queira ajudar ele a ter melhor condições de vida”, revela.

Entrou na respeitada Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto, no interior de São Paulo. “Vivi os piores momentos da minha vida. Com o tempo fui percebendo que o sonho virou terror na minha vida. Tudo foi só sofrimento”, conta Luiz Fernando.


Luiz Fernando tem autismo, um transtorno que dificulta o convívio social. No caso dele, a doença tem um grau leve. “Então, ele é um autismo de alto funcionamento. É um rapaz muito inteligente, mas tem prejuízos na linguagem”, explica a pedagoga Ozana Leal.

Fonte: http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2014/04/vivi-os-piores-momentos-da-minha-vida-diz-jovem-sobre-trotes.html

domingo, 20 de abril de 2014

Cartilha sobre o autismo é lançada

O Ministério da Saúde lançou diretrizes para o diagnóstico e o tratamento do autismo no Brasil, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Entre as novidades está uma cartilha para ajudar na identificação precoce do problema em crianças com até três anos de idade.


Cerca de 100 mil exemplares da cartilha vão ser distribuídos, em um primeiro momento, para médicos e profissionais de saúde do SUS de todo o país. O documento vai trazer uma tabela com indicadores de desenvolvimento infantil e sinais de alerta que poderão ser utilizados pelo médico para identificar o autismo em uma criança, por exemplo.